Estudo aponta a prevalência da infecção pelo HPV em mulheres com câncer de colo uterino


Um estudo científico identificou a infecção pelo vírus do papiloma humano (HPV) em um grupo de mulheres com câncer de colo de útero tratadas na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Amazonas (FCecon), descrevendo o perfil epidemiológico, sociodemográfico, clínico e os fatores de risco relacionados à infecção nessa população de mulheres estudadas.  

Com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), os pesquisadores descreveram o perfil de 17 pacientes, com idades entre 31 e 70 anos, e uma frequência de 82,3% de HPV nas pacientes incluídas no estudo.

Os dados apontaram, entre outras condições, que as situações que aumentam a probabilidade de ocorrência pela infecção estão relacionadas ao uso de anticoncepcionais oral e/o injetável (69,1%), seguidas de mulheres com baixos níveis de escolaridade (64,7%) e início de atividade sexual em idade precoce entre os 11 e 20 anos (64,7%).  

O projeto “Caracterização da infecção por papilomavírus humano (HPV) em mulheres com câncer de colo de útero tratadas na FCecon” foi desenvolvido na FCecon e amparado pelo Programa de Apoio à Iniciação Científica do Amazonas (Paic/AM), edição 2019/2020, da Fapeam.

HPV

Atualmente é amplamente aceito o HPV como agente etiológico do câncer de colo uterino. Quanto mais tempo uma mulher permanece infectada pelo vírus, maior é o risco de desenvolver a doença. 

Marcos Bruno 2De acordo com o estudante do curso de biomedicina da Universidade Estácio e bolsista do Paic, Marcos Bruno Lino, o câncer do colo de útero é muito incidente no Amazonas, por isso, é importante desenvolver estudos especificamente sobre o tema.    

“Nossos programas de prevenção e rastreio de câncer uterino precisam, ainda, fornecer melhores condições para implementação das políticas de saúde e acesso aos serviços públicos de saúde, promovendo a detecção precoce e o tratamento em tempo hábil”, disse Marcos Bruno Lino.

Dados

A pesquisa demonstrou ainda que 64,7% das mulheres estudadas são casadas ou vivem em união estável. Parte dessas mulheres (30,7%) nunca utilizou preservativos. Outra parte afirmou usar às vezes e, relataram incômodo como justificativa para o desuso.

Quanto ao número de parceiros sexuais na vida, 38,4% respondeu ter tido apenas 1 parceiro sexual durante toda a sua vida, 7,6% tiveram de 2 a 3 parceiros, 15,3% de 4 a 5 parceiros e 15,3% tiveram de 6 a 10 parceiros sexuais na vida.

Sobre o número de parceiros sexuais, nos últimos 12 meses (em relação à data da entrevista), 97,6% relatou ter tido apenas 1 parceiro sexual, e 2,4% tiveram 3 parceiros sexuais nos últimos 12 meses.

Em relação aos exames anteriores realizados, apenas 61,5% responderam ter tido alguma alteração nos preventivos anteriores. As pacientes incluídas no estudo apresentaram uma média 3,2 filhos (38,4%), seguido de 4 a 5 filhos (23%), demostrando um percentual alto de paridade dessas mulheres. Quando questionadas sobre o tabagismo, 38,4% afirmaram fumar ou ter fumado em algum momento da vida.

Premiação

O projeto desenvolvido por Marcos Bruno Lino e orientado pela professora Heidy Halanna de Melo Farah Rondon está entre os dois trabalhos científicos melhor colocados entre os apresentados na IX Jornada Científica do Paic/FCecon – 2019/2020.

Ao todo, 44 alunos de Instituições de Ensino Superior (IES) públicas e privadas participaram da IX Jornada Científica, com defesas orais de conclusão dos projetos, que trataram sobre áreas estratégicas para a unidade hospitalar, como prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer.

Estimativa

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca) o número de casos novos de câncer do colo do útero esperados para o Brasil, para cada ano do triênio 2020-2022, será de 16.590, com um risco estimado de 15,43 casos a cada 100 mil mulheres. Sem considerar os tumores de pele não melanoma, o câncer do colo do útero é o segundo mais incidente nas Regiões Norte (21,20/100 mil), Nordeste (17,62/100 mil) e Centro-Oeste (15,92/100 mil). Já na Região Sul (17,48/100 mil), ocupa a quarta posição e, na Região Sudeste (12,01/100 mil), a quinta posição.

A estimativa mundial aponta que o câncer do colo do útero foi o quarto mais frequente em todo o mundo, com uma estimativa de 570 mil casos novos, representando 3,2% de todos os cânceres. Em termos de mortalidade, no Brasil, em 2017, ocorreram 6.385 óbitos, e a taxa de mortalidade bruta por câncer do colo do útero foi de 6,17/100 mil.

Paic

O Paic é um Programa da Fapeam que consiste em apoiar, com recursos financeiros e bolsas institucionais, estudantes de graduação interessados no desenvolvimento de pesquisa em instituições públicas e privadas do Amazonas.

 Por:  Helen Melo

Foto: Érico Xavier

 

Deixe um novo comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

  • comunicado-tele-2 (2)

  • 2021-02-23

  • simulação-site---proposta-2-2

  • Banner Linha de Ação

  • falabr-logo-azul (1)