Pesquisa apoiada pelo Governo do Amazonas estabelece protocolo de segurança para a castanha-do-Brasil


Pesquisadores implantaram e validaram um protocolo que visa assegurar a qualidade e evitar a contaminação causada por agentes tóxicos produzidos por fungos, nas etapas da cadeia produtiva da castanha-do-Brasil. A pesquisa é apoiada pelo Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), via Programa Amazonas Estratégico.  

O protocolo, que abrange desde a coleta até o transporte e armazenamento da castanha, foi implantado em uma cooperativa do município de Beruri (distante 73 quilômetros de Manaus). Os conceitos implantados e validados poderão ser transferidos para aplicação em outras cooperativas do Amazonas.

FAPEAM-Pesquisa apoiada pelo Governo do Amazonas estabelece protocolo de segurança para a castanha-do-Brasil -Foto-Érico Xavier-FAPEAM (4)(1)

Conforme a coordenadora do projeto Ariane Mendonça Kluczkovski, pesquisadora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), o protocolo analisou diversos parâmetros de qualidade e segurança, entre os quais, as condições higiênicas, sanitárias e organizacionais da cooperativa.  

“Esse protocolo de manejo da castanha-do-Brasil envolve todos os cuidados que devem ser adotados, desde o castanhal, de forma a evitar a contaminação de agentes tóxicos que podem ser produzidos por fungos que estejam ao longo do processamento da cadeia produtiva da castanha”, explicou Ariane Kluczkovski. 

Ela acrescenta ainda que verificar a condição de trabalho do castanheiro e a forma como é realizado o manuseio da castanha também são fatores considerados pelo protocolo, para evitar a contaminação por fungos e, assim, garantir que boas práticas de manejo sejam seguidas, além de possibilitar a oferta de um alimento seguro.  

FAPEAM-Pesquisa apoiada pelo Governo do Amazonas estabelece protocolo de segurança para a castanha-do-Brasil -Foto-Érico Xavier-FAPEAM (3)

A capacitação da indústria de castanhas em sistemas de qualidade pode adequar o produto, inclusive, as normas exigidas por mercados internacionais. 

Equipe- Intitulada, “Implantação e validação de Protocolo para controle de risco de contaminação na pós-colheita da castanha-do-Brasil em indústrias do Amazonas”, a pesquisa contou com a participação de colaboradores da Ufam, da Universidade Nilton Lins, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas Doutora Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP).  

O projeto, que contou com o investimento da Fapeam por meio do edital Nº 004/2018, do Programa Amazonas Estratégico, foi iniciado em 2018 e finalizado em 2021.  

Sobre o programa – O Amazonas Estratégico financia atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, nas seguintes linhas temáticas: Agricultura (Fruticultura); Aquicultura (Piscicultura e Peixes Ornamentais); Química Fina, Biocosméticos e Biofármacos; Tecnologia da Informação e Comunicação; Novos materiais (bio-compósitos, compósitos avançados e metamateriais bio-inspirados); Recuperação / Regeneração de Área Degradada; Serviços ambientais; e Mineração.

Por: Tiago Auzier/Decon Fapeam

Fotos: Érico Xavier/Decon Fapeam

 

Deixe um novo comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

  • Banner Lateral Perfil da Pós

  • BANNER-SITE-PROTOCOLO-e1656689607339

  • BANNER-SITE-TRANSPAReNCIA-e1656689846988

  • BANNER-SITE-LINHAS-DE-AcaO-e1656690042398

  • BANNER-AGÊNCIA-AMAZONAS

  • falabr-logo-azul-1